um pouco sobre mim mesmo

Serginho Franco

Este não é um portifólio. Tantos anos de propaganda não caberiam em uma página desse tamanho. E mesmo que coubesse ficaria muito mais com cara de um site arqueológico do que um site de internet. Então, sem o rigor de um critério histórico vou colocar aqui um pouco do meu trabalho, de meus textos e de minhas fotos. Pelo menos essa é a minha intenção no momento em que escrevo essa descrição.

Anúncios.

Parece diversão mas é só trabalho.

Fazer um anúncio para o histórico Notícias Populares, imaginar novos personagens para o Carlinhos Moreno ou ser respeitado pelo cliente em cada ponto, em cada vírgula. Esse é o momento que você tem a certeza que escolheu, senão a profissão certa, a mais divertida do mundo.

Comerciais.

Filmes que gostei de ter feito.

Existem trabalhos emblemáticos e especiais na vida de qualquer publicitário. Quem nunca sonhou em fazer um comercial de Bombril? Ou fazer um comercial de natal para a TV Globo, com o Roberto Carlos cantando? Ou brilhar com uma boa ideia que não custou mais que alguns tostões de produção? Aqui, mostro alguns desses sonhos realizados no meio de tanto trabalho.

Comerciais da época em que o Carlinhos Brown ainda falava coisa com coisa.

Para quem curte Arqueologia

Se você adora assistir "Os alienígenas do passado", não perde um remake do Star Trek, para tudo o que está fazendo para saber como era o mundo "Quando os dinossauros andavam na Terra", aqui vai um painel cheio de ácaros com alguns frames que saíram das teclas da velha Remington ou da tela moderníssima do Macintosh Classic. Se você curtir algum, me passe um fax que eu tenho todos os filmes digitalizados.

Sem remorso de entrar na ficha técnica.

With a little help from my friends.

O trabalho de Diretor de Criação envolve duas palavras: compromisso e desprendimento. É impossível que sua equipe faça tudo do jeito que você faria. Como é impossível você fazer tudo. Se você não for humilde a ponto de não suportar dividir a paternidade de suas crianças, desista. Nesse painel tem muito do meu trabalho como DC nos últimos anos: um texto aqui, um caminho lá, uma luz acolá. Mas sobretudo tem as palmas para os diretores de arte, redatores e assistentes que tiveram a paciência de trabalhar comigo.

Campanha "Modo Brincar", para a Ri Happy.

Resolvi dar destaque a este trabalho por alguns motivos.

Primeiro pelo propósito nobre no mundo da propaganda, cada vez mais insensível .

Depois porque foi meu último trabalho feito de cabo a rabo na WMcCann.

Finalmente, por lealdade e reverência a minha gloriosa equipe Mauro Villas-BôasPaulo Fontana e Gustavo Paro.

Um delicioso trabalho que fizemos brincando e que revelou-se muito sério. 

Livros que escrevi.

Dizem que todo redator é um escritor frustrado. Bem, pelo menos eu tentei.
Primeiro foi um livro sobre minha experiência como pai. Depois, um livro sobre minha experiência como filho de uma mãe. E finalmente um livro que juntasse pais, mães e filhos. Outros projetos foram iniciados. Alguns inacabados, outros completos e engavetados. Mas de tudo isso posso dizer que tirei uma grande lição: não faça livros que não cabem em prateleiras comuns senão nem em sebos eles irão terminar...

Editora Matrix

Chega um dia em que o homem deixa de ser filho e passa a ser pai. Muitas vezes, esse momento pode vir antes mesmo do nascimento de um filho. Ser pai está além de apenas transmitir os genes para a posteridade. Trata-se de uma missão.

Este livro é um presente para quem é pai. Mesmo que ainda não tenha um filho.

Editora Matrix

Tem gente falando da sua mãe. Perguntando se os remedinhos que ela faz funcionam mesmo. Querendo saber o que significam as frases que só ela diz. Vasculhando a história para saber se mãe é tudo igual mesmo ou só tem uma. O 'Livro da Mãe' conta fatos, causos, curiosidades e tece comentários a respeito da 'mãe'.

Editora Matrix

Você tem medo de dentista? De barata? De ladrão? De palhaço? De fantasmas? Saiba que esses e outros medos podem não ser apenas medinhos... Eles podem ser paúra! Mas agora você pode ficar mais tranquilo, pois este livro o ensina a lidar com esse pavor todo.

Interessado em algum desses livros? Procure no site da Editora Matrix ou nos bons sebos do ramo.

Um homem sem banda não é nada na vida.

CD: Era pra ser vinil.

Uma banda de humor pueril e politicamente incorreta... há mais de 35 anos. Tenho um orgulho de ser sócio-fundador do Saco de Gatos com meu amigo e editor Paulo Tadeu. E de dividir 3 horas semanais com o Élcio, o Lorenzo, o  Alfredo, o Zé e o próprio Paulo. Nosso clip "Na Palma da Mão" de minha humilde autoria quase foi sucesso e tem um clipe no Youtube além de estar disponível no Spotify e em todos sites de música. Um dia isso vira dinheiro. E a gente vai gastar tudo junto.

O CD "Era pra ser vinil" você encontra nas tantas lojas de CD pelo Brasilzão afora. O clipe "Na Palma da Mão"está aqui,  a um clique . Pense bem se vale a pena clicar.

Gabriel Dreyfus

"La publicidad no es creativa si la gente no la entiende y quando vos dejes de ser un niño terrible para transformarte en un viejo boludo" (La publicidad que me parió, 2001).

Fala que eu te escuto.

Contact

Follow

©2017 by Serginho Franco. Proudly created with Wix.com

Nelson Ned